Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Visão Política

Porque a política tem que ser feita de verdades!

Visão Política

Porque a política tem que ser feita de verdades!

ESPECIAL ELEIÇÕES

01.Jan.21

Poder de compra dos portugueses está pior do que há 10 anos

Na última década, Portugal recuou no indicador de paridade de poder de compra face à média da União Europeia. Está atrás de países como a Estónia e a Lituânia.

imagens-2-.jpeg

É uma década perdida em termos de paridade de poder de compra dos portugueses, face à média dos pares da União Europeia (UE). O Produto Interno Bruto (PIB) per capita, expresso em paridades de poder de compra, fixou-se em 79,2% da média da UE em 2019. Corresponde a uma ligeira melhoria face a 2018, mas está aquém do valor registado em 2009, de 83,1%, segundo dados divulgados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Entre os 19 Estados-membros que integram a zona euro, Portugal ocupava em 2019 a 16ª posição, abaixo da Estónia (83,8%), da Lituânia (83,5%) e à frente da Eslováquia (68,2%), Letónia (69,1%) e Grécia (66,5%).

"Não me surpreende. É um sinal da nossa estagnação", disse João Duque, economista e professor do ISEG. "E estamos a ser ultrapassados por países como a Estónia e a Lituânia. É impressionante", adiantou. Salientou que aqueles dois países partiram de valores muito abaixo dos de Portugal. No caso da Estónia, registava em 2009 um valor de 64,6% e a Lituânia não passava dos 56,9%.

"É o resultado de governos que orientam as políticas para a eleição. Num país de hipocondríacos, atuam em duas áreas: garantir que os portugueses vão receber reforma e vão ao hospital", apontou. Mas João Duque alertou que a resposta do país devia antes ir no sentido do crescimento mais rápido da riqueza, atraindo empresas e adotando políticas que estimulassem esse crescimento económico.

O Luxemburgo registou o índice mais elevado, de 260,1% entre os 37 países analisados, "mais de duas vezes e meia acima da média da UE27 e cerca de cinco vezes maior que o da Bulgária (53%), o país da UE com o valor mais baixo", explicou o INE.

Em termos de despesa de consumo individual per capita, que, segundo o INE, constitui um indicador mais apropriado para refletir o bem-estar das famílias, fixou-se em 86,2% da média da UE em 2019, uma melhoria de 1,1 pontos percentuais face ao ano anterior.

O índice foi elaborado com base em informação sobre preços de um cabaz comum de bens e serviços de 37 países europeus.

Portugal enfrenta em 2020 uma das maiores crises económicas de sempre devido às medidas adotadas pelo governo na gestão da epidemia do novo coronavírus. O desemprego disparou e empresas fecharam devido às medidas restritivas que continuam a condicionar fortemente alguns setores de atividade, como o do turismo, da restauração e da hotelaria.

O Fundo Monetário Internacional prevê uma quebra do PIB português de 10% em 2020, enquanto o Banco de Portugal aponta para uma contração de 8,1% neste ano.

Portugal irá receber fundos comunitários da ordem dos 45,1 mil milhões de euros para fazer face à forte crise. "Boa parte da bazuca vai ser canalizada para despesa não produtiva - como os hospitais", lamentou o mesmo economista.

A 'bazuca' - como é conhecido o pacote de verbas comunitárias - chega a Portugal numa altura em que a dívida pública do país atingiu um nível recorde.

Elisabete Tavares 

 

AJUDE NA LIBERDADE DE IMPRENSA