O sorvedouro de dinheiros públicos chamado TAP

As eleições legislativas de 2015 trouxeram à Assembleia da República uma maioria parlamentar de esquerda. O Presidente da República – tendo em consideração os resultados eleitorais – convida o Partido Socialista, liderado por António Costa, para formar governo. Um governo com o suporte parlamentar do Bloco de Esquerda, do Partido Comunista e do Partido Ecologista “Os Verdes”.


A Gerigonça, como assim ficou conhecida, num acto de pura cegueira ideológica, procurou reverter um conjunto de privatizações iniciadas durante o governo PSD/CDS-PP. Uma delas foi a da TAP. Em 2016 o Governo de António Costa, para além de (re)adquirir 50% do capital social de uma empresa que apresentava sistematicamente enormes prejuízos, reserva-se a ficar com apenas 5% dos direitos económicos em caso de lucros e abdica que integrar a administração executiva do grupo.


Um negócio ruinoso do ponto de vista económico para o Estado, que se refugiu no escudo do interesse estratégico nacional para justificar a sua linha de acção. Um interesse estratégico nacional que descura as Ilhas, o Grande Porto e o Algarve. A TAP, como acusa Rui Moreira, parece ser uma empresa estratégica municipal de Lisboa. Como se isso não bastasse, o Estado assumiu que garantia a capitalização da empresa face aos riscos bem como toda a responsabilidade pela dívida financeira em caso de incumprimento.


A arquitetura socialista fez da TAP um projecto desastroso para os contribuintes, em total desrespeito pelas regras de mercado e com um incentivo perverso ao investimento de risco, com todas as decisões executivas a serem tomadas por privados e com os prejuízos a serem suportados pelo Estado. Sem esquecer as nomeações próximas ao Partido Socialista bem como o facto de alguns acionistas serem também clientes e fornecedores no sector, num claro exemplo de conflito de interesses. Ou seja, assistiu-se, em boa maneira socialista, a uma privatização dos lucros e a uma nacionalização dos prejuízos.


Pergunto: não deveria o Estado moderno dever ser um provedor de bens públicos que o sector privado não tem interesse em garantir? Não existirão companhias aéreas, a operar num mercado concorrencial, capazes de garantir as ligações aéreas que a TAP ou evita realizar ou realiza com custos mais elevados?


As opções ideológicas, essas, são discutíveis e, por conseguinte, respeitáveis. Com mais ou menos Estado. O que não é tolerável é a irresponsabilidade na gestão do governo socialista que leva a que os prejuízos sejam públicos e os lucros privados. Com a Transportadora a acumular prejuízos, em tempos de queda drástica do tráfego aéreo, o Governo prepara-se para injectar, com pouco ou nenhum critério, uma nova pequena fortuna na companhia.


Até quando vamos suportar esta TAP?

One thought on “O sorvedouro de dinheiros públicos chamado TAP

Add yours

  1. Nao esquecer que fatia de leao do apoio à TAP resulta do fecho do espaco aerio no mundo ou do lock down forcado. Faria sentido apoiar todas as empresas por causa do covid e deixar a TAP
    à sua sorte? Não. O que é relevante é discutir as medidas para a reestruturacao da TAP dado que quase nada foi feito nos ultimos 20 anos (excepto a privatizacao parcial entretanto revertida em parte). Aqui ha que rer em conta que a insollvencia e fecho da TAP nao exonera o Estado portugues de elevados custos tendo em conta as garantias (cartas de conforto) emitidas pelos governos durante 20 anos ao sector bancario. O que parece ser mais economico (fecho) podr de facto nao o ser.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a website or blog at WordPress.com

EM CIMA ↑